Musicas do mundo – L’Arpeggiata

Soou o Gongo, fecharam-se as portas, o grande auditório esgotou para ver os L’Arperggiata, grupo criado em 2000 por Christina Pluhar para divulgar, em especial, reportório pouco conhecido do inicio de sec XVII.

No programa destacavam-se canções e tarantelas com origens musicais do sul de Itália mas cantadas em grego pela população de Salento, é o canti greci-salentini . Esta mistura de cultura da Itália do sul e grega tranportou-nos a ambientes de tempero mediterrâneo com aroma turcos e portugueses, e é nesse contexto que se enquadrou o fado interpretado por Misia.

Entre cada canção uma explosão de aplausos, quer pela voz quente e potente de Misia, quer pela voz rara de David Capezzuto, sopranista. Não sou apreciadora de fado mas vi-me a gritar Bravo após ouvi-lo com sonoridades de guitarra portuguesa, tiorba, contrabaixo jazzistico, percussão e aqui e ali instrumento de sopro.

Mas a estrela da noite foi Anna Dego, bailarina que embalou com mestria e sensualidade todos os que estavam presentes. E que encenação inesquecível em bisogna morire

Um grande auditório completamente rendido pediu e o encore sucedeu-se uma e outra vez. O publico suplicava e os L’arpeggiata respondiam.

Bravo, Bravissimo

 

l'aperggiata

Há concertos que não se descrevem, apenas se vivem no superlativo .  A actuação de L’Aperggiata foi um deles

Maria M