Do Talão até a ponta

O Violino é um instrumento intenso, que prende com laços invisíveis impossíveis de desatar.

Não é fácil, requer muita ginástica nos dedos, requer muita coordenação motora.

Tanta é a dispersão da atenção, há que não tocar nas cordas sempre que na pauta é indicada a sua mudança, há que movimentar o braço direito apenas movendo o antebraço para cima e para baixo.

Mas cuidado com a afinação, os dedos da mão direita tem de pressionar a corda a distancias com precisão matemática, um milésimo ao lado e já soa estranho. O arco tem de estar em sintonia com o correr célere dos dedos, nem antes nem depois.

E ainda há a pauta, tanta nota, na maioria mínimas, semínimas, colcheias, fusas, semifusas, mas também há as breves e as semibreves.

Ora há que ligar ao tempo. Umas devem ser mais fortes, outras mais piano. Mas que tendência louca de colocar as piano mais lentas, o tempo deve ser o mesmo. O tempo.

Metrónomos para frente e para trás, aquele clic pendular não me ajuda nada.

Qual a tonalidade? Temos de ver a armação de clave e olhar para ultima nota para saber se é maior, ou está uma terça abaixo e estamos na correspondente menor.

Ah mas atenção há notas que são detachê e outras que são staccato, sim pois cuidado, nesta há que voltar o arco, está assinalado do talão até a ponta. Alto, a nota passa de fá na corda re, para lá na corda mi, tem de saltar a lá, e pronto o arco belisca a corda que não devia. Ai, na corda mi, por ser tão estridente, a pressão do arco deve ser menor.

Que som tão ardido, o arco não pode estar próximo do cavalete. Pronto a crina salta na corda. Ah pois é a pressão que tem de ser mais coordenada e mais firme com o indicador.

Caramba o dó na corda lá é sustenido, então segundo dedo toca o terceiro, Ui que confusão.

Pum, começar de novo.

-Vamos tocar em conjunto, diz a professora.

-Basta, não quero tenho primeiro de fazer sozinha, senão a trapalhada ainda é maior.

Dizem que é o instrumento do diabo, não sei, sei apenas que é inebriante e uma vez tocado leva-nos aos confins do paraíso.

 

 

Violino Violino

 

Violino

 

Só alcança o sonho quem o quer, não com o querer da imposição mas o querer que nasce da paixão

Maria M