Blood Song

Não é Spartacus, não são os pilares da terra mas evoca-me ambientes com fragrâncias semelhantes , épocas feudais onde o sangue o obscurantismo e a religiosidade exacerbada tem cunho de lei e o poder do mal tolhe as mentes de sombras e medo.

Lutas pela fé, cruzadas em reinos longínquos na senda dos ideais quasi Tavola Redonda, condimento assaz  suficiente para prender a atenção do leitor mais descuidado

Sete são os pilares da fé e sete as casas que as acolitam mas a ação centra-se na casa dos guerreiros e no seu filho mais dileto Vaelin Al Sorna também conhecido por espada do reino, Young Hawk, Espada negra, Beral Shak, ou the shadow of the Raven. Nele é forte a voz do sangue cuja melodia interpreta e ouve de forma magistral. É um dotado mas não o assume como tal, e embora não queira sente de forma visceral a canção que o movimenta the Blood Song .

Age com respeito e segue princípios de lealdade, mesmo sabendo seguir ordens que tem como base a luxuria e a ganância.

Base fraca que acaba na derrota e com ela um preço de vida. É afortunado, encontra o amor que vivifica aquele que ausência alguma mitiga. Paga-o com o preço da honra. Há uma força que o impele e torna invencível, tem sentimentos doces mas quem o vê assume ser um bárbaro.

É patente, nos capitulo finais, como valores nobres são absorvidos por orientações básicas e primárias numa guerra que semeia mortes em busca de eldorados, com pouco, direi mesmo nenhum respeito pela vida quer dos marcham debaixo da mesma bandeira de  fé ou a dos que não partilham a mesma visão, mas em todos reina o fanatismo.

Sorna é diferente mata mas tem honra, tem palavra, cruza-se inúmeras vezes com o mal que lhe quer sugar a vida, mas será que conseguirá?

Anseio pelo segundo volume

Na contracapa lê-se

We have fought batles that left more than a hundred corpses on the ground and not a word of it has ever been set down.

The order fights, but often it fights in shadow without glory or reward

We have no banners

 Blood song

Só não gosta de ler quem ainda não encontrou o livro certo.

Maria M