A propósito da exposição “como as cerejas”

O alvoroço é enorme, ouvem-se gritos e os risos saltam alegres no ar, sente-se gente mas gente pequena. Alguns debruçam-se sobre as malas abertas, com pernas altas e finas, para lhes espiolhar o conteúdo, a atenção essa depende da excitação que os chama para a brincadeira, e nas pausas da correria despreocupada observam atentamente com […]