A propósito da exposição “como as cerejas”

O alvoroço é enorme, ouvem-se gritos e os risos saltam alegres no ar, sente-se gente mas gente pequena. Alguns debruçam-se sobre as malas abertas, com pernas altas e finas, para lhes espiolhar o conteúdo, a atenção essa depende da excitação que os chama para a brincadeira, e nas pausas da correria despreocupada observam atentamente com […]

Revisitar Abril

Engana-se quem pensa ser este escrito um pasquim de caracter politico. É talvez e tão só uma reflexão sobre a nossa sociedade. Como uma seta que rasga as trevas do abismo para alcançar a luz de uma ideia renovada, ouço aqui e ali o desejo de revitalizar a repressão do passado. Tal vontade embriaga-me a […]

Exposição Album de Família – Nelson D’Aires

Grande era minha expectativa neste conjunto de fotografias seleccionadas por Nelson D’Aires e ilustrativas do trabalho fantástico que desenvolveu transformando as imagens em argamassas da memoria, numa luta titânica contra o olvido a que os seres envolvidos estariam condenados não fora a deslumbrante atenção que lhes dedicou. Mas a realidade tem destas coisas, consegue sempre […]

Actividades na Tapada – Aguarela

Aguardava-se um dia soalheiro, primaveril mas o segundo domingo de Abril despertou cinzento embora com temperatura agradável. Na mochila pincéis, pigmentos e papel, elementos essenciais para a sessão de trabalho que reuniu um grupo de artistas numa proposta comum, pintar em aguarela. Talvez embalada pela musica das palavras, a memoria de ontem aviva-se e transfigura-se […]

Entrevista a Rita Caré

É fim de tarde bem no centro da capital, Lisboa, as nuvens ameaçam pingos de água que se podem transformar em bátegas mais fortes pelo menos assim o vaticina a meteorologia. Numa  das ruas que cruzam o emaranhado de casario plantado nas faldas do castelo um pequeno bar-restaurante, o Velha Gaiteira, fervilha de actividade artística, no entanto […]